Luz ligada

Toda a discussão relativa a Pontos de Carregamento também conhecidos por EVSE (Electric Vehicle Supply Equipment) vem para aqui.
Responder
Avatar do Utilizador
ruimegas
Gestor do Forum
Mensagens: 5059
Registado: 04 jan 2011, 23:39
Data de fabrico: 09 jun 2011
Capacidade bateria: 59 Ah 12 barras
Localização: Oeiras
Contacto:

Luz ligada

Mensagem por ruimegas » 04 ago 2011, 22:12

Luz ligada

Imagem

"O mundo fantástico da Mobi.E

A página oficial da Mobi.E é um exemplo da crença e propaganda nacional de que o nosso futuro energético se pode basear inteiramente em energia renováveis. No passado dia 26 de Julho a entidade responsável pela gestão da rede de carregamento de veículos eléctricos fez eco de um artigo de opinião no Diário Económico, em que Embaixadora Britânica em Portugal, Jill Gallard, nos dá conta que o Reino Unido querer tornar-se mais "verde". Imagino que a Embaixadora já esteja fora do seu país há muito tempo mas, sendo a representante em Portugal do Reino D. Isabel II, creio que lhe ficaria bem saber mais do que se passa na Nação.

É correcto que o Reino Unido se quer tornar num exemplo de país "verde". Mas isso não acontecerá recorrendo a energia renováveis. Com excepção das hidroeléctricas, nunca aconteceu em nenhum país do mundo, não vai acontecer na Alemanha e certamente não acontecerá no Reino Unido. Os ingleses sabem-no bem e estão a perseguir esse objectivo ambientalista de forma séria e realista. Estão a relançar um programa nuclear como há muito tempo as Ilhas Britânicas não viam. Ainda recentemente o Ministro Inglês da Energia, Charles Hendry, reiterou o compromisso absoluto do Reino Unido com a energia nuclear e chegou a afirmar que sem ela a nação ficará mais negra e prosperará menos.

Agora que estamos esclarecidos em relação à forma como o Reino Unido irá descarbonizar a produção eléctrica ao mesmo tempo que a mantém barata e fiável para os súbditos de sua Majestade vamos embarcar no sonho da Senhora Embaixadora, dos desatentos responsáveis da Mobi.E e da generalidade dos portugueses. Vamos imaginar que em 2011 todos os portugueses trocaram o seu carro de combustão interna por um eléctrico e que é a energia eólica que fornece a electricidade para a bateria destes veículos.

Consumo de carros eléctricos
O parque automóvel ligeiro nacional compreende cerca de 5,7 milhões de unidades. Para simplificar as contas que se vão seguir vamos esquecer pesados e motociclos. Vamos admitir que todos estes Leafs percorrem a distância média actual de cada carro europeu, cerca de 12.000km/ano. Um Leaf tem baterias com uma capacidade de 24 kWh. E tem uma autonomia real de 120 km o que lhe confere um consumo de 20 kWh/100km. Se o parque automóvel fosse todo composto por Leafs, para fazer os 12.000km/ano, cada um precisaria de 2.400 kWh/ano. Todo o parque ia requerer 13,68 TWh/ano.

Se admitirmos que estes carros vão carregar todas as noites entre as 0h e as 6h o país teria um acréscimo de carga de 6.246 MWh todos os dias neste período. Vamos admitir que a produção actual é capaz de dar resposta a 746 MWh adicionais. Para os 5.500MWh em falta seria preciso instalar mais 12.000 MW de turbinas eólicas se admitirmos um factor de capacidade de 0,46% durante a noite. Um investimento de peso se tivermos em conta que a potência eólica instalada neste momento é de 4.000 MW. Contas feitas o parque eólico nacional teria de quadruplicar.

Com um parque eólico quatro vezes o actual os fluxos de importação e exportação de energia na Península Ibéria seriam agravados na mesma ordem de grandeza. Seria um desafio colossal para a gestão da rede. E é preciso não descartar que muito possivelmente Espanha não teria capacidade de absorver tanta energia eléctrica em excesso. As nossas barragens seguramente não iam conseguir escoá-la. Agora imagine-se os custos de uma operação desta grandeza. Descendo à Terra só existe uma forma de massificar o carro eléctrico. Com centrais térmicas como parece querer ser a nova forma alemã ou nucleares que será a via seguida pelos ingleses.

Consumo eléctrico na refinação de crude

Imagem

Fui alertado por alguns leitores que com a conversão de automóveis de combustão interna para eléctricos ia haver poupança eléctrica na produção de gasolina. Determinar este valor não é imediato mas penso que se obtém um valor aproximado usando o seguinte método. Um barril de petróleo (158l) contém 1,7MWh de energia, pelo que o petróleo bruto (crude) tem uma densidade energética de 10,7kWh/l. Uma refinaria tem cerca de 80% de eficiência no seu processo o que significa que durante a refinação se consome 2,14 kWh/l de energia. De um barril (42 Gal) de crude refinado resultam 45 Gal de produtos petrolíferos dos quais 19 Gal de gasolina e 10 Gal de Diesel, ou seja, 69% da matéria-prima. (nota: a proporção entre produção de gasolina e diesel tem vindo a mudar devido à crescente procura por diesel, em particular na Europa).

Numa típica refinaria a obtenção dos produtos é conseguida com aquecimento e pressurização do crude através da queima de gás natural ou produtos da própria destilação e transformação química também recorrendo a sub-produtos do crude. A electricidade para funcionamento de bombas e compressores representa cerca de 4% da energia consumida, pelo que por cada litro de gasolina ou diesel obtido se consome 0,69x0,04x2,14 = 0,059 kWh de electricidade.

O carro médio de combustão interna gasta cerca de 6 litros/100km ou 0,354 kWh/100km, um valor irrisório quando comparado com os 20 kWh/100 km típicos do Leaf.


Existem refinarias, contudo, que fazem cogeração (vapor para aquecimento + electricidade) como é o caso da unidade de Sines. A central de cogeração de Sines (Sinocogeração) tem 80 MW de potência instalada e é capaz de exportar até 66 MW para a rede eléctrica. A central de cogeração da refinaria de Matosinhos (Portocogeração) de igual potência deverá estar concluída este ano deixando o sector de refinação de crude nacional quase auto-suficiente em electricidade. Por esta razão é impreciso afirmar que a ausência de refinação de crude em Portugal permita reduzir o consumo de electricidade de forma notória.

Nota: Falta aos valores aqui apresentados de consumo eléctrico numa refinaria alguma consistência pelo que admito estarem incorrectos. Não na ordem de grandeza mas, ainda assim, não totalmente fidedignos. Vou pesquisar para descobrir dados mais coerentes e agradeço desde já qualquer ajuda nesse sentido."

Em: http://luzligada.blogspot.com/2011/08/o ... mobie.html
NISSAN LEAF Branco c/Spoiler mk1. Encomenda 19JAN2010. Entrega 09JUN2011. 145.000 kms a electrões and counting
Associado da Associação de Utilizadores Veículos Eléctricos http://www.uve.pt

Avatar do Utilizador
mjr
Administrador do site
Mensagens: 8404
Registado: 04 jan 2011, 15:55
Data de fabrico: 30 mai 2018
Capacidade bateria: 114.8 Ah 12 barras
Localização: Porto

Re: Luz ligada

Mensagem por mjr » 04 ago 2011, 23:53

Darkside...

Não sei se reparaste Rui, mas este senhor faz parte do anel de blogs que inclui o hilariante ecotretas. E mais não digo...
Nissan Leaf 40 Tekna preto, entregue em 30 de maio de 2018. 23000km em 2019-03-30.
Nissan LEAF mk1 Preto, entregue em 7 de julho de 2011. 159500 km em 2019-03-30.
Tesla Model 3 LR preto entregue em 2019-03-06. 2900km em 2019-03-30.
Sócio da associação de Utilizadores de Veículos Elétricos, UVE: http://www.uve.pt

Avatar do Utilizador
ruicvt
Moderador Global
Mensagens: 357
Registado: 05 jan 2011, 20:25

Re: Luz ligada

Mensagem por ruicvt » 05 ago 2011, 02:18

Ui.. Está explicado... :?

Essiemme
Proprietário Leaf
Mensagens: 1598
Registado: 08 jan 2011, 11:46
Data de fabrico: 01 jan 2011
Capacidade bateria: +/- 64,69Ah 12Barras
Localização: Porto Alto, Portugal

Re: Luz ligada

Mensagem por Essiemme » 05 ago 2011, 12:09

É verdade...

Passei por aquele blog (Luz Ligada) e reparei que os senhores que lá escrevem são uns iluminados, será por isto a razão do nome escolhido para o blog?

Para além de tamanhos disparates, não entendo porque raio é que têm assim tanta raiva demonstrada...

:?
12 Barras.
+ de 179.500 KMs
+/- 60,85 Ah :)

Responder

Voltar para “Carregamento”